Sim, Nós Podemos!

Se nossa existência tivesse um nome, o sobrenome certamente seria mudança. Heráclito, filósofo grego e pai da dialética, disse: “Nada há de permanente, exceto a mudança”. Se para você essa afirmação está mais para uma sensação, creio então que em muito pouco tempo se tornará uma certeza, mesmo crendo na relatividade dela, pois essa mesma certeza sofrerá mudanças e assim, não será mais ela mesma. Não é como nos sentimos? Mudando a cada novo dia?

Na sociedade moderna a velocidade é a mola propulsora de todas as transformações e aquela que nos leva a agirmos, muitas vezes, como nossos ancestrais, movidos apenas pelo instinto de preservação, deixando tudo ao nosso entorno menos importante, supérfluo, tornando-nos seres individualistas. À margem de tudo aquilo que essa “sociedade veloz” impõe como prioritário temos tantas coisas, inclusive nossos atos, aqueles mesmos que deveriam nos diferenciar das outras espécies.
Somos “animais” sociais, nossa essência é a da convivência, mas podemos dizer com tranquilidade que hoje vivemos com o outro? Sabemos quem é ou nos importamos com ele? Atingimos a marca de sete bilhões de pessoas vivendo no planeta; pergunto: quem é esse tal de outro mesmo? Ele pode ser tanta gente, pode ser alguém que não conhecemos, nos encontramos ou sequer que venhamos a encontrar. Mas devemos nos preocupar com ele por uma simples razão, temos que conviver com “ele”.

Hoje, com uma pitada de exagero, nosso melhor amigo é aquele telefone esperto que faz tudo. Chegamos a lançar desafios com o objetivo das pessoas ficarem um determinado tempo sem usar a tecnologia – foi notícia em um portal da internet – mas devo admitir, é complicado vivermos sem ela. É, nosso modo de vida mudou! Na era do conhecimento, a tecnologia tem papel fundamental nos avanços da humanidade, entretanto, por outro lado, se não voltarmos nossa atenção a todo o conteúdo desse pacote e às letras miúdas desse contrato, corremos o risco de “mudarmos” cada vez mais, para bem distante daquilo que realmente somos.
Se nos aflige sentir tais coisas sobre nosso atual modo de vida, o que nos resta? Sentar e ver onde e como estaremos vivendo daqui a dez anos? Precisamos tentar nos engajar no propósito de mudar essas relações. A antropóloga norte-americana Margaret Mead disse: “Nunca duvide de que um pequeno grupo de cidadãos conscientes e engajados consiga mudar o mundo. Na verdade, essa é a única via que conseguiu produzir mudanças até agora”.
Sim, nós podemos! O desejo de mudar nasce dentro da gente, esse é um dos grandes poderes que temos. Outro poder, o de acreditar, nos torna capazes de fazer acontecer além de nos fortalecer e nos manter firmes na busca das mudanças que queremos. Como disse Gandhi, “Devemos ser a mudança que queremos ver no mundo”.

Para passarmos de uma determinada situação social para outra melhor é necessário que as desejadas mudanças comecem em cada um de nós expandindo-se para nossa família, nossos vizinhos e assim de forma espiral para os demais elos de nossas relações.
A cultura de paz é um processo norteado pelo uso e fortalecimento das relações, do diálogo, da confiança e do respeito, dando-nos nova forma de pensar, fazer e viver. Fortalece as relações porque precisamos conviver, e o convívio nada mais é do que o viver no mesmo lugar com outra pessoa. Fortalece o diálogo, pois necessitamos nos comunicar para sermos compreendidos e compreender o outro, sendo este o mediador de conflitos e de superação dos problemas advindos das relações humanas, fazendo surgir novos espaços para a troca de experiências e compartilhamento dos conhecimentos acumulados por cada um de nós, gerando assim, novas competências aos envolvidos no processo.

Nas escolas, a cultura de paz tem espaço privilegiado, pois, alinhando-se às propostas pedagógicas fará de cada uma delas polos irradiadores das mudanças que desejamos ver no mundo. “Joaquim pergunta ao seu pai Henrique: Você precisa deixar a torneira aberta enquanto se barbeia? Na aula de ciências a professora me disse que está faltando água em muitas partes do mundo e que há mais de 1 bilhão de pessoas em dificuldades por falta de água doce. Ela também disse que um banho demorado gasta 95 a 180 litros de água, e que escovar os dentes com a torneira aberta consome 25 litros. Quanto você já gastou hoje, hein pai?” A história mostra como a escola teve um papel fundamental para que Joaquim confrontasse os hábitos do pai demonstrando novos conceitos, habilidades e valores, tornando-se capaz de pensar nos outros e não somente em suas necessidades individuais.
Esses outros para os quais estão voltados os olhares do Joaquim têm maneiras peculiares de entender, olhar e estar no planeta, muitas vezes diferentes das dele e está aí, na diversidade, a possibilidade de crescimento pessoal, de mudarmos do modelo mental enraizado na sociedade de individualismo para um modelo de cultura colaborativa. Trata-se de propormos a nós mesmos, novos hábitos comportamentais e de nos colocarmos no mundo de forma diferente.
Mudar, apesar de fazer parte de nossa existência, não é uma tarefa fácil, mas se continuarmos parados, sem pensarmos ou agirmos, estaremos indo contra tudo que nos faz diferentes.  Que tal acreditarmos e vivermos a cada novo dia buscando um melhor desenvolvimento como pessoas humanas, seres sociais e que acreditam na cultura de paz?
Nós podemos, sim!

Tags:

Comentários

REVISTA ESTILO FASHION

Edição 27

A Estilo Fashion é publicada semestral e contém assuntos váriados como moda, gastronomia, saúde, etc.

SAIBA MAIS

ANUNCIOS

  • Auto Capas

    Semi - Banco de Couro

    Veja mais sobre esse anuncio

  • Automóveis - CNH

    Carteira Livre

    Veja mais sobre esse anuncio

  • Café

    Casa do Expresso

    Veja mais sobre esse anuncio

  • Autoescola

    Auto Escola Passeio

    Veja mais sobre esse anuncio