Era Digital: se você ainda não entrou, entre!

Protegendo a criança e o adolescente

A internet tem se tornado um dos meios de comunicação mais acessíveis no mundo. A cibercultura, que não deve ser entendida como uma cultura pilotada pela tecnologia e, sim, uma cultura contemporânea marcada pelas tecnologias digitais, é o que se vive hoje. Há um mundo inteiro à nossa disposição na tela do computador: Home banking, fóruns eletrônicos, mídias sociais, etc.

Nos usos e costumes a coisa é séria e está afetando a todos. A internet é um novo modelo de comunicação que devemos aprender a utilizar com qualidade e segurança. E o problema não está na tecnologia, mas sim no uso que fazemos dela.

A expansão de seu uso por crianças e adolescentes apresenta inúmeros benefícios, mas também riscos que precisam ser conhecidos para serem evitados. Alguns websites, pessoas e redes criminosas enganam, seduzem ou incitam crianças e adolescentes a acessarem conteúdos inadequados, como pornografia. Há casos de crianças e adolescentes que foram aliciados, cooptados ou até raptados para fins sexuais. Outros estimulam a violência e o preconceito, divulgando mensagens de racismo, intolerância e ódio.

Por meio de bate-papos, chats, e-mails ou sites de relacionamento, crianças e adolescentes podem receber mensagens e apelos para participarem de atividades indevidas, que muitas vezes escondem intenções de abuso e exploração sexual.

Assim, é fundamental monitorar e orientar a navegação das crianças na rede. A supervisão determina quais sites seu filho pode, ou não, acessar e quanto tempo ele pode ficar na internet. Filtros de navegação interceptam e bloqueiam páginas que contenham cenas pesadas através de palavras-chave escolhidas pelos pais na configuração do programa.

Especialistas em segurança de crianças e adolescentes na internet ressaltam que a melhor solução é dialogar, instruir, alertar, sempre. A psicóloga Luciana Nunes, estudiosa da Antropologia do Mundo Virtual, dá algumas dicas para os pais: “Se você ainda não entrou na era digital, entre! Conheça o ambiente onde as crianças estão navegando. Participe da realidade delas. É mais um meio de aproximação entre gerações. Fique de olhos abertos para utilização exagerada da internet, além de estabelecer um parâmetro no uso do computador. E não use a internet como babá eletrônica”.

Acompanhe as rotinas de seu filho, fique ao seu lado e navegue com ele – essa é uma boa medida para construir relações de confiança e de partilha. A família, a escola e a comunidade podem atuar de modo complementar e colaborativo. Professores e educadores podem estabelecer espaços de discussão conjunta que ajudem nas tarefas de proteção da criança ou adolescente e na garantia da supervisão.

O diálogo e o respeito mútuo são o caminho para a produção de valores e compromissos compartilhados – expresse suas expectativas em relação ao comportamento de seus filhos e ouça sempre o que eles pensam sobre elas. E deixe claro que o que não aprova é o comportamento e não a criança. Fica aqui um resumo das dicas:

  • Limite o tempo de utilização da internet por seu filho e estabeleça um horário para o uso;
  • Saiba por quais sites seu filho navega e quais comunidades virtuais integra;
  • Peça para ler e participe do que ele escreve e publica em seu blog, salas de bate-papo, sites de relacionamento e visite sempre o perfil dos filhos nas redes sociais;
  • Instrua seu filho a não divulgar dados pessoais, como nome, endereço, telefone, fotografias e e-mail em locais públicos da internet;
  • Mantenha o computador em uma área comum da casa e com a tela visível;
  • Caso encontre algum material violento ou ofensivo, explique a seu filho o que pretende fazer sobre o fato;
  • Informe-se sobre alguns programas de proteção e instale o mais adequado;
  • Questione os filhos sobre o que têm feito na internet e mostre interesse sobre tudo que eles conheceram online.

Agindo desta forma, você saberá por onde seu filho navega. Procure entender as suas preferências, questionando seus motivos. E lembre-se: a presença, o acompanhamento e o diálogo com seu filho são as formas mais eficazes de proteção. Se surgirem dúvidas, verifique! Não ignore qualquer sensação de insegurança. Prevenir nunca é demais!

Tags:

Comentários

REVISTA ESTILO FASHION

Edição 27

A Estilo Fashion é publicada semestral e contém assuntos váriados como moda, gastronomia, saúde, etc.

SAIBA MAIS

ANUNCIOS

  • Toldos

    Alpha Toldos e Coberturas

    Veja mais sobre esse anuncio

  • Crepe Francês

    Sorelly Crepe Francês

    Veja mais sobre esse anuncio

  • Estética e Beleza

    Beleza Fashion

    Veja mais sobre esse anuncio

  • Acupuntura

    Acupuntura Shiatsu

    Veja mais sobre esse anuncio