A escola e a cultura do sedentarismo

A escola e a cultura do sedentarismo

A Educação Física faz parte da formação do aluno e pode ser determinante para um futuro mais saudável

A longevidade do ser humano vem sendo, há décadas, objeto de estudo da ciência. O grande objetivo é que o indivíduo possa viver cada vez mais e melhor.

A partir do conhecimento adquirido ao longo do tempo, ampliou-se a consciência de que essa sobrevida com qualidade depende, em grande parte, de um conjunto de ações adotadas pelo próprio indivíduo ao longo de sua vida.

Nesse sentido, sem sombra de dúvida, são fatores determinantes a alimentação e a chamada vida ativa.

Ocorre que, com o passar do tempo e a evolução tecnológica, o que se observa é exatamente o contrário, ou seja, as pessoas, de modo geral, vêm se alimentando de maneira cada vez mais inadequada e, mais que isso, levando uma vida cada vez mais inativa.

Essa observação se torna mais preocupante quando se constata que esses fatores que, em última análise, são limitantes à vida, vêm atingindo o ser humano em faixas etárias cada vez menores.

Especificamente em relação à inatividade ou, em outras palavras, à vida sedentária, o que se observa é que já em idade escolar, um número considerável de pessoas começa a demonstrar pouco apreço pela atividade física. É bastante comum, em conversas com adolescentes no colégio, ouvirmos relatos de que passam boa parte do dia dormindo, ficando a prática de atividade física restrita às aulas de Educação Física, isto quando delas participam.

A constatação óbvia é a de que a menor solicitação de esforço físico, proporcionada pela chamada vida moderna, foi determinante para a mudança de estilo de vida das pessoas. Ao longo do tempo, criou-se um fenômeno chamado “cultura do sedentarismo”, que adquiriu tal vulto e, em amplitude mundial, passou a ser considerado pelos órgãos que estudam a saúde, em esfera nacional ou internacional (Organização Mundial de Saúde, por exemplo), como problema de saúde pública, chegando a receber o “título” de “mal do século” (século XX). Sabe-se que é fator determinante para o surgimento ou agravamento de doenças que afetam grandemente a qualidade de vida tais como o diabetes, a hipertensão arterial, doenças cardiovasculares (que foram as responsáveis pelo maior número de mortes ocorridas no século XX, em âmbito mundial), a obesidade e alguns tipos de câncer

Considerando esse problema (o sedentarismo por suas características, atinge o ser humano cada vez mais precocemente e que, claramente, envolve risco futuro não só à qualidade de vida, mas, à própria vida, entendemos que, desde cedo se devem adotar ações no sentido de combater a chamada cultura do sedentarismo ou, em contraponto, enfatizar, valorizar a cultura do movimento.

A família tem papel fundamental, pois, sabe-se exemplo, que filhos de pais que possuem o hábito de praticar atividade física, têm uma maior probabilidade de também serem praticantes.

A escola, de maneira geral, e a disciplina de Educação Física, de modo específico, também devem se envolver nessa luta, adotando ações que levem os alunos a adquirirem consciência sobre a importância da prática do movimento na busca da longevidade eda qualidade de vida.

Torna-se fundamental que se atue no sentido de desenvolver e aprofundar, junto aos alunos, conhecimento sobre o movimento nas suas mais variadas vertentes culturais como as danças, as lutas, o esporte, a ginástica, a recreação etc.

É essencial, também, que se utilize a prática de atividade física de maneira inclusiva, combatendo preconceitos, desenvolvendo o respeito às diferenças e, assim, facilitando e desenvolvendo as relações humanas.

Mas, até em função de todos esses aspectos, é fundamental que a prática do movimento seja valorizada, não apenas nas aulas de educação física, mas, no ambiente e na rotina escolar como um todo, não, obviamente, com a perspectiva da busca de alto rendimento, mas, no sentido de que se incorpore à rotina da escola, a cultura do movimento e, também, de que se amplie e se desenvolva o chamado repertório motor dos alunos.

Não se trata de preconizar o desenvolvimento motor como único objetivo da escola, através, sobretudo, da disciplina de Educação Física, mas, que seja um deles, pois, é notório que se sinta prazer quando se executa algo que se entende fazer bem feito e, é também evidente, que se torna mais fácil transformar em hábitos, práticas que tragam prazer.

Partindo destas premissas, ao trabalhar no sentido de ampliar e desenvolver o repertório motor dos alunos, e de incorporar a prática da atividade física à sua rotina diária a escola e, obviamente, a disciplina de Educação Física estará criando condições favoráveis ao desenvolvimento da referida “cultura do movimento” instrumentalizando-os, assim, no sentido de incorporarem à sua vida, práticas que, por serem fontes de prazer, terão maior possibilidade de se tornarem hábito o que, em longo prazo, para além do prazer, irá proporcionar melhor qualidade de vida emaior perspectiva de longevidade.

Tags:

Comentários

REVISTA ESTILO FASHION

Edição 27

A Estilo Fashion é publicada semestral e contém assuntos váriados como moda, gastronomia, saúde, etc.

SAIBA MAIS

ANUNCIOS

  • Contabilidade - Escritório

    Mello e Mello Assessoria Contabil

    Veja mais sobre esse anuncio

  • Clínica Geral - Geriatria

    Dra.Regina A.Pequeno

    Veja mais sobre esse anuncio

  • Advogado

    Boson Prado - Advogados

    Veja mais sobre esse anuncio

  • Decoração da Casa

    Marcia Dantas Decorações

    Veja mais sobre esse anuncio